Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.
Serviço

FinTech

Solutions
Driven by Knowledge.

O serviço integrado de apoio jurídico em FinTech é especialmente vocacionado para apoiar o ecossistema de inovação, incluindo instituições de pagamento, retalhistas e instituições financeiras, entre outros setores.

O serviço integrado de apoio jurídico em FinTech é especialmente vocacionado para retalhistas, instituições de crédito e entidades com competências administrativas, entre outros setores. Este serviço beneficia da experiência acumulada da SÉRVULO em áreas essenciais para o desenvolvimento de soluções inovadoras que acompanhem o crescimento exponencial do comércio eletrónico, tais como Direito Bancário, Direito da Proteção de Dados, Direito das Tecnologias da Informação, Administração Pública Eletrónica, Direito Europeu e da Concorrência.

Ativos virtuais: por força da entrada em vigor, no dia 1 de setembro de 2020, do diploma de transposição da quinta Diretiva Europeia em matéria de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, a prossecução em Portugal de atividades que envolvam ativos virtuais (i.e. cripto moedas) passou a depender da obtenção de um registo prévio junto do Banco de Portugal por parte das entidades que pretendam passar a exercer, ou continuar a poder exercer, tais atividades em Portugal. Neste âmbito, a equipa de FinTech da SÉRVULO encontra-se apta e inteiramente disponível para prestar todo o apoio jurídico necessário à preparação dos elementos informativos e documentais que devem instruir o pedido de registo a submeter ao Banco de Portugal. 

A equipa da SÉRVULO responsável pelo serviço de apoio jurídico em FinTech é constituída por Francisco Mendes Correia, Paulo Câmara, Verónica Fernández, Inês Palma Ramalho, Guilherme Ribeiro Martins, Catarina Mira Lança e Andreea Babicean, na área de Financeiro & Governance, Miguel Santos Almeida, na área de Contencioso, Penal e Regulatório, Ana Rita Paínho, na área de Tecnologias de Informação e Proteção de Dados, e Miguel Gorjão-Henriques, na área de Direito Europeu e da Concorrência.