Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Trabalhar muito ou trabalhar bem?

SÉRVULO NA IMPRENSA 15 Set 2018 in Dia 15

De acordo com os últimos dados da OCDE divulgados pela imprensa nacional, Portugal continua a ser um dos países onde se trabalha semanalmente mais horas sem que isso nos coloque no topo dos países mais produtivos. De acordo com o estudo, Portugal ocupa um não particularmente honroso 26.0 lugar (em 35 possíveis) com uma média de 35,9 horas trabalhadas por semana. Este número pode não parecer muito alto, mas chega a ser quase 27 por cento superior às de um dos países mais produtivos.

A conclusão a retirar destes dados não é novidade, mas não é, por isso, menos dantesca. Os trabalhadores portugueses trabalham mais (horas) que os congéneres da OCDE, mas isso não os torna mais produtivos. Porquê? O modelo de trabalho típico passa por contratar um trabalhador (e usemos a palavra trabalhador em sentido lato porque há muitos "profissionais liberais" a quem isto também se aplica) em função não dos objetivos que será chamado a cumprir, ou das metas que deve atingir em benefício da sua empresa, mas em função do tempo de trabalho que vai gastar na empresa a desempenhar a sucessão das tarefas que lhe são distribuídas. Ou seja, o trabalhador ganha em função das horas a que entra na empresa para trabalhar até que se vai embora - mesmo que não esteja a ser particularmente produtivo - e não do resultado efectivo do seu trabalho.

E, mesmo que não haja horários de trabalho, a métrica muitas vezes utilizada baseia-se igualmente nas horas de dedicação ao trabalho e não no que se produziu durante as ditas. Claro que há margem para os bónus de desempenho ou produtividade ou para mecanismos complementares de remuneração assentes noutros critérios que não o número de horas de trabalho, mas, a existirem, esses mecanismos serão isso mesmo: complementares. Este ano, a Perpetuai Guardian, uma empresa neozelandesa de gestão de activos, decidiu fazer uma experiência e instituir uma semana de trabalho de cinco dias pagos mas em que os trabalhadores apenas trabalhavam quatro dias (32 horas). A empresa foi clara nas suas intenções: o dia extra de folga seria retirado se as equipas não cumprissem os objetivos propostos.

Havendo sempre alguma necessidade de adaptação (dos trabalhadores e dos chefes de equipa), os resultados, devidamente auditados pela Universidade de Auckland e disponíveis online para quem os queira consultar, foram surpreendentes. A empresa não só registou o cumprimento dos objectivos como, em alguns casos, um aumento da produtividade - e, no geral, maiores níveis de compromisso, energia e solidariedade das equipas e dos trabalhadores. Estes reportaram uma significativa diminuição dos níveis de stress e um aumento da concentração nas tarefas a desempenhar e melhor conciliação da vida pessoa e familiar com o trabalho. O segredo? Aparentemente, ficaram mais eficientes.

Claro que cada caso é um caso e nem todas as funções são iguais. Mas talvez o nosso modelo de tempo de trabalho esteja desactualizado e hoje já não faça assim tanto sentido falar em semanas de 40 horas (ou de 35 horas) - mas sim que haja uma ponderada definição da estratégia da empresa, de objectivos (razoáveis!) a alcançar e uma remuneração em função dos resultados. Trabalhar um número excessivo de horas só porque sim não faz particularmente bem à saúde, à vida familiar e ao desenvolvimento pessoal. E, dizem os números, também não parece não fazer particularmente bem aos resultados das empresas portuguesas.

Encontre o artigo de opinião publicado no Jornal Dia 15, aqui.

Advogados Relacionados
Inês Palma Ramalho