Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Alterações determinadas pela Lei n.º 27/2019, de 28 de Março, relativas às custas processuais e sua execução

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 12 Abr 2019

No dia 28 de março de 2019 foi publicada a Lei n.º 27/2019, que alterou, designadamente, a Lei da Organização do Sistema Judiciário (“LOSJ”), o Código de Processo Civil (“CPC”), o Regulamento das Custas Processuais (“RCP”) e o Código de Procedimento e Processo Tributário (“CPPT”). Esta Lei entrará em vigor 30 dias após a sua publicação. O objetivo principal deste diploma é transferir a competência dos oficiais de justiça para os funcionários de administração fiscal em matéria de cobrança coerciva de custas, multas e outras quantias determinadas em processos judiciais e, assim, assegurar uma maior uniformidade de critérios e procedimentos, bem como aumentar a eficiência da cobrança de quantias devidas ao Estado. Esta Lei prevê, ainda, algumas alterações relativas a outras matérias. 

Das alterações realizadas salientam-se as seguintes:

   1. Atribuição de competência à Administração Tributária para execução por custas

Atribuiu-se competência à Administração Tributária para promover em execução fiscal a cobrança de custas, multas não penais e outras sanções pecuniárias fixadas em processo judicial. Consequentemente foi revogado o artigo 57.º do CPC, que atribuía competência ao Ministério Público para promover essas execuções.

Foi igualmente alterado o artigo 148.º do CPPT, que passou a prever no n.º 2, al. c), que o processo de execução fiscal abrange as dívidas de «custas, multas não penais e outras sanções pecuniárias fixadas em processo judicial».

Em conformidade, alterou-se também o artigo 35.º do RCP, que passa a prever no n.º 1 que compete à Administração Tributária «promover em execução fiscal a cobrança coerciva das custas, multas não penais e outras sanções pecuniárias fiadas em processo judicial».

De fora ficam as multas penais e indemnizações, passando a prever-se no artigo 131.º da LOSJ que «a execução das decisões relativas a multas penais e indemnizações previstas na lei processual aplicável compete ao juízo ou tribunal que as tenha proferido».

Alteraram-se, ainda, os artigos 87.º e 88.º do CPC, que regulavam as execuções por custas, multas e indemnizações, e que passaram a regular apenas as execuções por indemnizações (designadamente em consequência da condenação de uma parte como litigante de má fé).

   2. Alteração dos artigos 14.º, 26.º e 35.º do Regulamento das Custas Processuais 

Passou a prever-se no n.º 9 do artigo 14.º do RCP que, nos casos em que há lugar ao pagamento do remanescente da taxa de justiça, «o responsável pelo impulso processual que não seja condenado a final fica dispensado do referido pagamento, o qual é imputado à parte vencida e considerado na conta a final». Eliminou-se, assim, a onerosa regra que determinava que a parte que obtivera provimento total na ação judicial tivesse, ainda assim, de responder solidariamente com a parte vencida pelo pagamento do valor remanescente da taxa de justiça. 

No novo n.º 7 do artigo 26.º do RCP, passou a prever-se que «se a parte vencedora gozar do benefício do apoio judiciário na modalidade de dispensa de taxa de justiça e demais encargos com o processo, as custas de parte pagas pelo vencido revertem a favor do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I.P.». Esta norma suscita algumas dúvidas interpretativas e de compatibilização com o (demais) regime das custas de parte. Note-se, designadamente, que a apresentação da nota justificativa de custas de parte pela parte vencedora está na sua livre disponibilidade. No entanto, desta norma parece resultar que cabe à parte vencedora que beneficia de apoio judiciário na modalidade referida, a iniciativa de requerer tanto as custas de parte, como receber o pagamento das mesmas, não se tendo criado qualquer mecanismo legal de substituição à parte vencedora nem de reversão das quantias a favor do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I.P. (“IGFEJ”). 

Quanto à execução por custas, incluindo a execução por custas de parte quando a parte vencedora beneficie de apoio judiciário na modalidade de dispensa de taxa de justiça e demais encargos de processo, passou a mesma, como acima referido, a competir à Administração Tributária e a seguir a tramitação do processo de execução fiscal (tendo, consequentemente, sido alterados os n.ºs 1 a 5 do artigo 35.º do RCP, e revogados o artigo 36.º e o n.º 2 do artigo 37.º do RCP).

   3. Aditamento do artigo 26.º-A do Regulamento das Custas Processuais 

Por fim, foi aditado ao RCP o artigo 26.º-A, com a epígrafe «Reclamação da Nota Justificativa», nos termos do qual a reclamação da nota de custas de parte está sujeita ao depósito da totalidade do seu valor. O legislador optou, assim, por manter a regra do regime pretérito (o n.º 2, do artigo 33.º da Portaria n.º 419-A/2009, de 17 de abril) que havia sido declarada inconstitucional com forma obrigatória geral, por violação da reserva de competência legislativa da Assembleia da República (cfr. Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 280/2017). Mantém-se, contudo, a reflexão sobre a constitucionalidade desta norma, na medida em que pode importar uma restrição do direito fundamental de acesso à justiça e aos tribunais para defesa dos direitos e interesses legalmente protegidos.

Margarida Sepúlveda Teixeira

mst@servulo.com

Áreas Relacionadas
Contencioso
Advogados Relacionados
Margarida Sepúlveda Teixeira