Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Arbitragem Necessária ou Mediação para Resolver Conflitos de Consumo de Baixo Valor

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 02 Set 2019

A resolução de litígios de consumo – isto é, os iniciados por um consumidor contra um fornecedor de bens ou prestador de serviços[1] – através de meios alternativos aos tribunais judiciais (como a mediação e a arbitragem) tem vindo a ser promovida pelo legislador por ser uma solução mais rápida e menos onerosa para os consumidores.

Essa tendência acentuou-se com o regime da resolução extrajudicial de litígios de consumo, aprovado pela Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro, que veio, nomeadamente, prever uma rede de arbitragem de consumo (composta por centros de arbitragem de conflitos de consumo autorizados para prosseguir as atividades de informação, mediação, conciliação e arbitragem) e estabelecer normas para garantir a eficácia e a acessibilidade dos procedimentos de resolução alternativa desses litígios (como, por exemplo, a decisão no prazo máximo de 90 dias e a gratuitidade do procedimento ou a sua sujeição ao pagamento de uma taxa de baixo valor).

Neste contexto, com o claro objetivo de reforçar a defesa dos consumidores, a Lei n.º 63/2019, de 16 de agosto, veio sujeitar os conflitos de consumo de reduzido valor económico (ou seja, de valor não superior a € 5.000,00) a arbitragem necessária ou mediação quando, por opção expressa dos consumidores, sejam submetidos à apreciação de tribunal arbitral em centro de arbitragem de conflitos de consumo legalmente autorizado.

Assim, se um consumidor pretender apresentar uma reclamação relativa à compra de um bem ou à prestação de um serviço, que não exceda o referido montante, poderá dirigir-se a um centro de arbitragem de conflitos de consumo (integrante da lista divulgada pela Direção-Geral do Consumidor) e iniciar um procedimento de mediação ou de arbitragem necessária, vinculando o fornecedor do bem ou prestador do serviço a participar. Não se trata de uma imposição legal inédita, uma vez que os litígios de consumo respeitantes a serviços públicos essenciais já estavam sujeitos a arbitragem necessária desde 2011, em caso de opção expressa dos utentes (pessoas singulares)[2].

Por outro lado, de acordo com a mesma lei, o consumidor deve ser notificado, no início do processo, de que pode fazer-se representar por advogado ou solicitador, sendo que, caso não tenha meios económicos para tal, pode solicitar apoio judiciário. Deste modo, os centros de arbitragem de conflitos de consumo passam a ter o dever de informar o consumidor do direito a constituir advogado ou solicitador

Finalmente, o diploma em questão estabelece que, nos conflitos de consumo de reduzido valor económico, o consumidor fica dispensado do pagamento prévio de taxa de justiça, que será apurada a final. Considerando que existem centros de arbitragem de conflitos de consumo que acolhem procedimentos gratuitos de resolução alternativa de litígios, a referida norma não tem, nesses casos, aplicação. 

Estas alterações, que embora incidam apenas sobre o artigo 14.º da Lei n.º 24/96, de 31 de julho (regime aplicável à defesa dos consumidores), têm de ser enquadradas no aludido regime da resolução extrajudicial de litígios de consumo[3], entrarão em vigor no dia 15 de setembro de 2019.

 

Alexandra Valpaços

ava@servulo.com

 



[1] Relativamente a obrigações decorrentes de contratos de compra e venda ou de prestação de serviços.

[2] Cfr. Artigo 15.º, n.º 1, da Lei n.º 23/96, de 26 de julho, na redação dada pela Lei n.º 6/2011, de 10 de março.

[3] Designadamente, a sujeição de quaisquer conflitos de consumo de baixo valor a arbitragem necessária, quando seja essa a opção do consumidor, amplia o dever de informação que a lei impõe aos fornecedores de bens e aos prestadores de serviços, devendo estes divulgar o(s) centro(s) de arbitragem de conflitos de consumo a que se encontrem vinculados para dirimir aqueles litígios (cfr. artigo 18.º, n.º 1, da Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro).

Áreas Relacionadas
Arbitragem
Advogados Relacionados
Alexandra Valpaços