Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Um novo regime para as PIRC: dúvidas e perplexidades

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 03 Set 2019

O Verão foi uma vez mais aproveitado para alterações legislativas na área das práticas comerciais restritivas (‘PIRC’), que visam o “fortalecimento da transparência” e o “reforço das disposições sobre o equilíbrio das posições negociais entre operadores económicos”, mas sem ter inteiramente em conta o peso relativo de uns e outros.

Trata-se da segunda alteração ao já de si recente regime, estabelecido em 2013 e já alterado em 2015. A amplitude das modificações é tal que o diploma (Decreto-Lei n.º 166/2013) foi republicado, junto do Decreto-Lei n.º 128/2019, de 29 de agosto, o qual, contudo, não invoca qualquer urgência legislativa, pelo que surpreende a sua adoção neste período estival e pré-eleitoral: como é sabido, a recente aprovação da Diretiva (UE) 2019/633 imporá que, no prazo de menos de um ano, haja uma nova intervenção legislativa nesta matéria.

Do rol de novidades que entrarão em vigor no dia 1 de janeiro de 2020, destaca-se um conjunto de soluções que visam assegurar uma melhor separação entre o regime das PIRC e o direito da concorrência. E isso é de saudar. Mas se não é este o espaço adequado para analisar as alterações, destaquem-se apenas algumas: primeiro, o foco deixa de estar nas empresas estabelecidas em Portugal para se centrar numa teoria dos efeitos, aplicando-se o regime tanto a práticas que ocorram em território nacional como as que aqui possam produzir efeitos (cfr. artigo 2.º, n.º 1). Na verdade, o critério anterior era discriminatório e totalmente inadaptado.

Segundo, a justificada revogação dos artigos 3.º e 6.º, que tratavam das chamadas práticas discriminatórias e recusa de venda. Pode dizer-se, porventura, que se reconhece que são matérias que estão na autonomia privada, em grande medida, e que devem ser apenas tratadas no contexto do direito da concorrência. A solução não deixa de surpreender pela ousadia. Mas, outrossim, é pena que idêntica solução não tenha sido também adotada em relação à chamada “venda com prejuízo”, pois que também nesta é o direito da concorrência quem fornece o enquadramento e as soluções adequadas, ao passo que a sua previsão nas PIRC constitui um contrassenso e um travão a uma saudável concorrência nos mercados, com evidente prejuízo para os consumidores. Aliás, ver-se-á de que modo a manutenção desta proibição é congruente com a mensagem que proíbe as empresas de adotarem práticas negociais de “impedimento de venda a qualquer outra empresa a um preço mais baixo” (que substitui a anterior “imposição da impossibilidade”). Há uma crescente aproximação e interligação entre o regime jurídico das PIRC e o da Concorrência com a previsão da Autoridade da Concorrência como entidade co-avaliadora deste diploma, a par com a DGAE e ASAE (cfr. artigo 18.º, n.º 1).

São dois os institutos nos quais, no entanto, o legislador mais procurou intervir, em termos materiais: a revenda com prejuízo (artigo 5.º) e as práticas comerciais abusivas (artigo 7.º).

No primeiro, o legislador começa por procurar esclarecer o conceito de “preço de compra efetivo” e, se se parece mexer na solução de 2015, o certo é que continua a aceitar que as notas de crédito e débito relevam (como não podia deixar de ser) para a determinação do preço de compra efetivo, somente estabelecendo um prazo de três meses para a sua emissão (contado da data da fatura). Quanto ao mais, à primeira vista parece-nos que o diploma vem facilitar os descontos diferidos no tempo e a assincronia objetiva, em que só aqueles descontos concedidos imediatamente na venda de um produto ou que se destinem à aquisição posterior do mesmo produto é que são relevantes para a determinação do preço de venda (rectius, para se saber se o produto foi vendido ou não abaixo do preço de compra efetivo). Nota merece-nos ainda o novo n.º 13 do artigo 5.º, cuja constitucionalidade nos parece duvidosa.

Refira-se ainda que o diploma impõe a obrigação de as empresas possuírem e conservarem, física ou digitalmente, por um prazo de três anos, as tabelas de preço, condições de venda, contratos de fornecimento e outras disposições reduzidas a escrito, documentos estes que podem ter de ser disponibilizados à ASAE enquanto entidade fiscalizadora (cfr. artigo 4.º, n.º 5). Já meramente proclamatória – como não poderia deixar de ser, quer devido à sua forma quer por falta de sanção – é a declaração feita no novo n.º 1 do artigo 4.º, segundo o qual «os contratos e acordos» (sic, num exemplo de péssima legística)se devem basear na “existência de contrapartidas efetivas e proporcionais aplicáveis às suas transações comerciais de fornecimento de produtos ou de prestação de serviços”.

No domínio das práticas negociais abusivas verifica-se um aumento dos comportamentos que passam a constituir contraordenação punível nos termos do artigo 10.º, n.º 3. Nem se refiram aqui as alterações à alínea d) do n.º 1 ou ao n.º 3 do artigo 7.º, que introduz uma álea que, totalmente justificada, terá profundas implicações, dada a natureza forçosamente complexa da relação de fornecimento entre duas empresas. Por exemplo, o tratamento dado à dedução de valores (com a sua proibição quando a outra parte se pronuncie desfavoravelmente, e fundamentadamente, no prazo de 25 dias) mostra apenas a incompreensão do legislador pela natureza duradoura e complexa das relações de fornecimento, que existem no interesse de ambas as partes, implicando, no entanto, uma adaptação das empresas a esta nova realidade normativa.

O n.º 4 do artigo 7.º, por sua vez, proíbe práticas unilaterais que resultem (i) numa imposição de antecipação de cumprimento de contratos, sem a correspondente indemnização, ou (ii) numa imposição de débitos não contratualmente previstos, após o fornecimento dos bens ou serviços. Práticas negociais, acordadas nesse sentido, contudo, não são proibidas.

Ainda neste âmbito cumpre destacar o facto de, ao abrigo do n.º 5 do artigo 7.º, a vasta maioria das práticas negociais abusivas que se aplicavam somente ao setor agroalimentar (cfr. anterior artigo 7.º, n.º 3) serem agora de aplicação universal às micro e pequenas empresas presentes nos demais setores de atividade económica. Ao setor agroalimentar mantém-se a proibição dos comportamentos que constam do n.º 6 do mesmo artigo 7.º.

A presente alteração tem ainda como fito o reforço dos poderes da ASAE enquanto entidade fiscalizadora, algo bastante evidente com alterações no âmbito das medidas cautelares – para que estas possam ser impostas basta, agora, que uma determinada prática tenha a suscetibilidade de afetar o normal funcionamento do mercado (cfr. artigo 8.º, n.º 1), enquanto antes era necessário que o comportamento fosse suscetível de provocar prejuízo grave, de difícil ou impossível reparação a outras empresas -, mas especialmente com o aditamento do artigo 7.º-A, que pretende reforçar os poderes inspetivos da ASAE, que ficam apenas dependentes do “conhecimento da prática de infração”. Como forma de incentivo às denúncias, o legislador decidiu não só garantir a confidencialidade aos denunciantes, mas também estabeleceu que estes, ao prestarem informações à entidade fiscalizadora, não se encontram a incumprir qualquer dever de segredo ao qual se encontrem sujeitos por via de regulamento ou contrato (cfr. artigo 7.º-A, n.ºs 2 e 3). Fica a questão de saber se, em futuras alterações a este regime jurídico, será ponderado um sistema de clemência como o que já existe no Regime Jurídico da Concorrência.

Em suma, o ano de 2020 irá iniciar-se com modificações muito significativas em domínios sensíveis e que impõem mudanças concretas à forma como as empresas se relacionam no mercado. Os próximos três meses, em que as empresas preparam o seu quadro relacional para o ano seguinte, serão decisivos para uma boa adaptação às alterações introduzidas. Como tal, as palavras-chaves para este período transitório são de compliance e de formação interna com o propósito de interiorizar e implementar estas alterações, promovendo práticas mais transparentes, equilibradas e leais entre os vários agentes de mercado.

 

Miguel Gorjão-Henriques

mgh@servulo.com

Guilherme Oliveira e Costa

goc@servulo.com