Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

As novidades trazidas pela Lei n.º 117/2019, de 13 de setembro: Em especial, as alterações ao Código de Processo Civil

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 06 Dez 2019

A Lei n.º 117/2019, de 13 de setembro, veio alterar o Código de Processo Civil, nas matérias de recurso de revisão, processo executivo e processo de inventário. Para além disto, também o regime dos procedimentos para cumprimento de obrigações pecuniárias emergentes de contratos de valor não superior à alçada do tribunal de 1.ª instância, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 269/98, de 1 de setembro, sofreu alterações.           

No que concerne ao recurso de revisão, passou a estar prevista a possibilidade do Réu que não teve conhecimento da citação por facto que não lhe é imputável ou não pôde apresentar a contestação por motivo de força maior, recorrer de decisão transitada em julgado. Passou, ainda, a constituir fundamento autónomo de recurso de revisão, a suscetibilidade da decisão recorrida originar responsabilidade civil do Estado por danos emergentes do exercício da função jurisdicional, se se verificarem determinados pressupostos, como o Recorrente não ter contribuído por ação ou omissão para o vício que imputa à decisão e tiver esgotado todos os meios de impugnação da decisão quanto à matéria suscetível de originar a responsabilidade do Estado. 

Quanto ao processo executivo, destacamos:

  • A restrição à admissibilidade de penhora de imóvel quando este seja habitação própria permanente do executado – aumentando-se, assim, a proteção dada à casa de morada de família-, a qual se cinge apenas aos casos em que a execução tenha valor igual ou inferior a 10.000 euros (e apenas se a penhora de outros bens não permitir, presumivelmente, a satisfação integral do credor no prazo de 30 meses), ou quando, em execução de valor superior a 10.000 euros, a penhora de outros bens não permitir, presumivelmente, a satisfação integral do credor no prazo de 12 meses;
  • A inclusão de previsão autónoma sobre as execuções respeitantes a obrigações emergentes de contratos com cláusulas contratuais gerais;
  • O alargamento dos fundamentos de oposição à execução baseada em sentença, englobando, agora, a falta de intervenção do réu no processo de declaração, verificadas determinadas circunstâncias;
  • A imposição ao executado da obrigatoriedade, sob pena de ser condenado como litigante de má-fé, de indiciar os direitos, ónus e encargos não registáveis que recaiam sobre os bens penhorados, tal como os respetivos titulares ou beneficiários, no prazo da oposição. 

Por último, e no que respeita ao processo de inventário, é revogado o regime anterior contido na Lei 23/2013, de 5 de março, passando o processo a estar regulado no Código de Processo Civil. Altera-se a repartição de competências entre os tribunais judiciais e os cartórios notariais, permitindo ao interessado que o instaura, ou ao conjunto de todos os interessados (mediante acordo), dar início ao processo nos tribunais judiciais ou nos cartórios notariais. Consagra-se, no entanto, casos específicos em que a competência é exclusiva dos tribunais, tal como é o caso em que o inventário é requerido pelo Ministério Publico. 

As alterações ao Código de Processo Civil introduzidas pela lei em análise entrarão em vigor no dia 1 de janeiro de 2020. No entanto, no que respeita ao regime jurídico do processo de inventário, o regime novo não se aplica aos processos pendentes.

Mariana Costa Pinto

mcp@servulo.com

Áreas Relacionadas
Contencioso
Advogados Relacionados
Mariana Costa Pinto