Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Um novo modelo de regulação dos Organismos de Investimento Coletivo: o Regime da Gestão de Ativos

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 14 Nov 2022

1. Contexto

No passado dia 25 de outubro de 2022 deu entrada na Assembleia da República a Proposta de Lei 40/XV/1, que autoriza o Governo a proceder à revisão do regime jurídico da atividade de investimento coletivo, dando início ao processo legislativo que visa aprovar o Regime da Gestão de Ativos (“RGA”).

O Projeto de Decreto-Lei Autorizado procede à revisão integral e transversal da regulação do setor da gestão de ativos, revogando o Regime Geral dos Organismos de Investimento Coletivo (“RGOIC”) e o Regime Jurídico do Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (“RJCRESIE”).

A Proposta ora apresentada surge no seguimento da sua aprovação em Conselho de Ministros de 20 de outubro de 2022 do e da aprovação do Anteprojeto de RGA da CMVM submetido ao Procedimento de Consulta Pública n.º 2/2021.

2. O Regime da Gestão de Ativos. Uma introdução.

A regulação da atividade de gestão de organismos de investimento coletivo convive atualmente com uma dispersão legislativa assinalável, marcada, no âmbito nacional, pela coexistência de dois diplomas fundamentais e complementares que, por seu turno procedem em grande parte à transposição de normas de Direito da União Europeia.

Além disso, revela-se importante evitar ou conter ao mínimo as adições normativas domésticas à regulação europeia (gold plating), o que visa ser agora corrigido pelo RGA.

As alterações promovidas pelo RGA são de âmbito transversal. Destacam-se com particular relevância o maior desenvolvimento conferido ao estatuto adaptado das sociedades gestoras de pequena dimensão, a simplificação do catálogo de tipologias de Organismos de Investimento Alternativo (“OIA”), bem como a simplificação do catálogo de tipologias de sociedades gestoras de organismos de investimento coletivo, pondo termo à multiplicidade de Sociedade Gestoras previstas na legislação existente.

Destacam-se ainda normas que visam harmonizar a organização e funcionamento dos Organismos de Investimento Coletivo e respetivas Sociedades Gestoras, como são exemplos as normas relativas à prestação de contas e financiamento, constituição e autorização, cessação de atividade e liquidação.

3. Conclusão

O RGA assume-se como um diploma de fôlego sistematizador, promovendo a criação de um quadro jurídico unificado, coerente e harmonizado com o Direito da União Europeia da disciplina da atividade de gestão de organismos de investimento coletivo.

Tudo considerado, estima-se que medidas ora apresentadas, visando a simplificação e uniformização regulatórias, a progressiva eliminação do gold plating, salvaguardando em todo o caso a proteção dos investidores, emergem como um sinal muito positivo no fomento à competitividade e desenvolvimento do mercado da gestão de ativos nacional, determinantes num contexto de recuperação pós-pandémica e contemporâneos da implementação das reformas contidas no Plano de Recuperação e Resiliência (“PRR”).

A Proposta segue agora o processo legislativo, o qual será acompanhado com atenção pelos agentes do mercado, aguardando a aprovação e entrada em vigor. 

Paulo Câmara | pc@servulo.com

José Eduardo Oliveira | jpo@servulo.com

Nazariy Kovalyuk | nko@servulo.com

Expertise Relacionadas
Financeiro e Governance