Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Acórdão de fixação de jurisprudência n.º 6/2019

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 19 Nov 2019

O Supremo Tribunal de Justiça proferiu, a 4 de novembro de 2019, acórdão que fixou a seguinte jurisprudência: “Na aplicação, por analogia, ao contrato de concessão comercial do n.º 1 do art.º 33 do Decreto-Lei n.º 178/86, de 3 de julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 118/93, de 13 de abril, inclui-se a respetiva alínea c), adaptada a esse contrato.” 

O tema, que recebe interpretação divergente na jurisprudência e é objeto do acórdão, prende-se com a questão de saber se se pode aplicar analogicamente o artigo 33.º, n.º 1, alínea c) do Decreto-Lei n.º 178/86, de 3 de julho, que consagra o Regime Jurídico do Contrato de Agência, alterado pelo Decreto-Lei n.º 118/93, de 13 de abril, ao contrato de concessão comercial. 

No acórdão recorrido consignou-se que a mencionada alínea c) do artigo 33.º não se aplica ao contrato de concessão comercial, dependendo, por conseguinte, a atribuição de indemnização de clientela apenas da verificação cumulativa das alíneas a) e b) do n.º 1 daquele preceito. 

Em sentido contrário, no acórdão fundamento entendeu-se que a indemnização de clientela tem lugar quando cumulativamente se verificam os requisitos previstos no n.º 1 do artigo 33.º e respetivas alíneas, visto que “as razões que no contrato de agência justificam o preceituado na alínea c) do n.º 1 do citado artigo 33.º - evitar a duplicação de compensações – valem aqui de igual modo.” 

A doutrina e a jurisprudência maioritárias defendem a aplicação analógica do Regime do Contrato de Agência ao contrato de concessão comercial com fundamento na circunstância de este último envolver uma atividade e um conjunto de tarefas similares às da agência, estando os contraentes unidos de modo idêntico por uma relação de estabilidade e duradoura, em termos de eles próprios deverem ser considerados pela atividade que exercem como um importante fator de atração de clientela. 

A divergência prende-se com os requisitos que se devem observar.  Assim, enquanto que a maioria dos acórdãos do STJ e parte da doutrina defendem que a atribuição de indemnização de clientela depende somente da verificação cumulativa das alíneas a) e b) do n.º 1 do artigo 33.º RJCA, outra parte da doutrina e jurisprudência sustenta que se deve averiguar igualmente do preenchimento da alínea c). 

O acórdão de uniformização de jurisprudência entendeu, com dois votos de vencido, que a obtenção de quaisquer lucros pelo ex-concessionário por efeito da clientela por este angariada e que manteve ligada a si, releva para efeitos da alínea c), sendo aplicável ao contrato de concessão comercial com as necessárias adaptações, para afastar o direito à indemnização. Significa isto que a atribuição da indemnização de clientela pela cessação do contrato de concessão pode revelar-se, no futuro, mais difícil ou exigente. 

Ainda de acordo com a interpretação do tribunal: 

  • O termo “retribuição” deve ser entendido como proventos ou lucros que o concessionário aufira com a realização dos negócios com as revendas;
  • O ex-concessionário tem de deixar de receber qualquer compensação pelos contratos concluídos após a cessação do contrato de concessão, devendo deixar de auferir quaisquer proventos da sua anterior atividade;
  • Cabe ao Autor provar que havia deixado de receber quaisquer proventos derivados da sua atividade anterior de concessionária.

A decisão acima descrita veio contribuir para a superação de divergências doutrinais e jurisprudenciais, tornando mais exigentes os pressupostos ou requisitos para o reconhecimento do direito a indemnização de clientela em caso de cessação do contrato de concessão.

 

Cláudia Isabel Costa

cic@servulo.com

 

Catarina Pita Soares

csg@servulo.com

Áreas Relacionadas
Comercial, Societário e M&A