Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Aviso do Banco de Portugal n.º 3/2019

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 21 Nov 2019

Foi publicado o Aviso do Banco de Portugal n.º 3/2019, de 5 de novembro (“Aviso n.º 3/2019”), que veio alterar o Aviso n.º 11/2014 do Banco de Portugal, de 22 de dezembro (“Aviso n.º 11/2014”) referente à aplicação dos requisitos prudenciais, estabelecidos no Regulamento (UE) n.º 575/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho de 2013 (“Regulamento (UE) n.º 575/2013”).

Sobre este tema valerá a pena referir que o Regulamento (UE) n.º 575/2013 e a Diretiva 2013/36/UE do Parlamento Europeu e do Conselho de 26 de junho de 2013 (“Diretiva 2013/36/UE”) são os diplomas que, no âmbito do direito europeu, regulam o acesso à atividade, o quadro de supervisão e as regras prudenciais aplicáveis às instituições de crédito e às demais empresas de investimento.

Assim, com a transposição da Diretiva acima referida para os ordenamentos jurídicos nacionais de cada Estado-Membro, houve a necessidade de redesenhar o elenco existente na tipologia de entidades consideradas como “instituições de crédito”.

 A maioria das entidades que não estavam a habilitadas a captar depósitos, passaram a ser qualificadas como sociedades financeiras. Esta alteração veio interferir na atribuição do passaporte comunitário, bem como a possibilidade de se financiarem, mediante a emissão de obrigações, para além dos limites legais aplicáveis.

Destarte, algumas das instituições de crédito que atuavam em solo nacional, perderam no seu Estado-Membro de origem, a qualificação como “instituição de crédito”. Tal facto, implicou a extinção do passaporte comunitário que havia sido atribuído e, consequentemente, a revogação da autorização para continuarem a operarem em Portugal.

Com a mudança de qualificação de “instituições de crédito” para “sociedades financeiras”, as entidades visadas passaram a poder atuar em Portugal, através da constituição de uma Sucursal, nos termos definidos pelo Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (“RGICSF”).

E, atento o facto das sucursais de instituições financeiras da UE não possuírem o dito passaporte comunitário, nem tão pouco a legislação europeia estatuir um regime legal que lhes seja aplicável, obrigou o legislador nacional a definir o respetivo enquadramento legal.

Em face ao acima exposto, com a publicação do Aviso n.º 11/2014, o Banco de Portugal procurou determinar a aplicação dos requisitos prudenciais previstos no Regulamento n.º 575/2013 às: (i) sociedades financeiras de crédito; (ii) sociedades de investimento; (iii) sociedade de locação financeira; (iv) sociedades de factoring; (v) sociedades de garantia mútua; e (v) IDS – Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A.

Com a publicação do Aviso n.º 3/2019, o regulador alterou agora o referido Aviso n.º 11/2014, para que ficasse expressamente previsto que o regime prudencial suprarreferido, passasse a ser aplicável às sucursais de instituições financeiras, com sede no estrangeiro, fora do espaço comunitário, com uma das tipologias de sociedades financeiras reguladas pelo RGICSF. Note-se, por fim, que o Banco de Portugal definirá por Instrução as normas técnicas de regulamentação e execução adotadas pela Comissão Europeia ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 575/2013 que não sejam aplicáveis a estas entidades.

Luísa Cabral Menezes

lcm@servulo.com

Áreas Relacionadas
Financeiro e Governance
Advogados Relacionados
Luísa Cabral Menezes