Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

As Áreas de Contenção em Lisboa

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 18 Nov 2019

A 8 de novembro do corrente ano entrou em vigor o Regulamento Municipal do Alojamento Local de Lisboa, o qual se aguardava com grande expetativa desde a suspensão de autorização de novos registos de estabelecimentos de alojamento local em determinadas áreas da cidade, abrangendo as zonas turísticas homogéneas do Bairro Alto/Madragoa e Castelo/Alfama/Mouraria (correspondentes, respetivamente, a parte das freguesias da Estrela, Misericórdia e Santo António, e a parte das freguesias de Santa Maria Maior e São Vicente.

Atendendo ao já disposto no artigo 15.º A do Regime de Autorização de Exploração dos Estabelecimentos de Alojamento Local (“RJEEAL”) relativamente às áreas de contenção a maior preocupação dos proprietários era saber o âmbito destas e quais as possibilidades de solicitarem novos registos nestas áreas.

Nos termos do Regulamento Municipal de Alojamento Local agora publicado foram previstas duas área de contenção: (i) área de contenção absoluta correspondente à zonas turísticas homogéneas ou subdivisões que apresentem uma rácio entre o número de estabelecimentos de alojamento local e o número de fogos de habitação permanente que seja igual ou superior a 20% e (ii) área de contenção relativa correspondente às zonas turísticas homogéneas ou subdivisões que apresentem um rácio ente o número de estabelecimentos de alojamento local e o número de fogos de habitação permanente igual ou superior a 10% e inferior a 20%.

Assim, nas áreas de contenção absoluta a regra é a não admissibilidade de novos registos de estabelecimentos de alojamento local exceto se disserem respeito a operações de reabilitação de edifícios em ruinas ou reabilitação integral de edifícios totalmente devolutos há mais de três anos e quando sejam considerados de especial interesse para a cidade, por darem origem a edifícios de uso multifuncional, em que o alojamento local esteja integrado em projeto de âmbito social ou cultural de desenvolvimento local ou integre oferta de habitação para arrendamento a preços acessíveis atribuídas no âmbito do Regulamento Municipal de Direito à Habitação. Não se esclarece, contudo, o que são considerados, neste contexto, edifícios multifuncionais em que o alojamento local está integrado em projeto de âmbito social ou cultural de desenvolvimento local. Atendendo à vaguidade das expressões utilizadas pelo legislador parece-nos conveniente que nestes casos seja solicitada informação prévia à Câmara Municipal.

Frise-se que nas zonas de contenção absoluta a admissibilidade de novos registos pressupõe igualmente que não tenham vigorado nos últimos 5 (cinco) anos quaisquer contratos de arrendamento para fins habitacionais no edifício, fração ou parte do edifício que se visa registar como alojamento local.

Por outro lado, nas zona de contenção relativa a admissibilidade de novos registos é possível desde que: (i) quando se refiram à totalidade de edifício em ruínas ou que esteja declarado totalmente devoluto há mais de 3 (três) anos; (ii) quando se refiram a fração autónoma ou parte de prédio urbano que tenha sido declarada devoluta há mais de três anos, quando o edifício se encontrasse num estado de conversação mau ou péssimo e tenha sido objeto de obras de reabilitação, realizadas nos dois últimos anos, que tenha permitido subir dois níveis de conservação e (iii) quando se refiram à totalidade de edifício, fração autónoma ou parte de prédio urbano que, nos dois últimos anos, tenha mudado a respetiva utilização logística, indústria ou serviços para habitação.
Saliente-se que também aqui não são admissíveis novos registos quando tiverem vigorado nos últimos 5 (cinco) anos contratos de arrendamento para fins habitacionais no edifício, fração ou parte do edifício que se visa registar como alojamento local.

O pedido para inscrição no registo de alojamento local em zona de contenção absoluta ou zona de contenção relativa é dirigido à Câmara Municipal de Lisboa mediante a apresentação de requerimento junto dos serviços municipais. A Câmara dispõe de um período de 90 (noventa) dias para analisar o processo e proceder ao seu deferimento ou recusa.
Caso o pedido seja deferido, o registo é concedido por prazo certo, isto é, por um prazo de cinco anos, como regime-regra, ou, tratando-se de reabilitação de edifícios em ruínas ou reabilitação integral de edifícios devolutos há mais de 3 (três) anos, por um prazo máximo de 10 (dez) anos, a definir pela Câmara Municipal de Lisboa, em função do valor do investimento a realizar.

Por último, salienta-se que o pedido de registo em zonas de contenção é obrigatoriamente instruído com elementos que comprovem a existência da situação invocada e que a incorreta instrução do pedido constitui motivo para a oposição ao registo e para o indeferimento da pretensão.

 

Joana Pinto Monteiro

jpm@servulo.com

Advogados Relacionados
Joana Pinto Monteiro