Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Carta Circular do Banco de Portugal, sobre as boas práticas aplicáveis à disponibilização do extrato de comissões através de canais digitais ou de correio eletrónico

PUBLICAÇÕES SÉRVULO 09 Jan 2020

No passado dia 23 de dezembro de 2019, foi publicada a Carta Circular n.º CC/2019/00000083 (“Carta Circular n.º CC/2019/00000083”) na qual o Banco de Portugal (“BdP”) - tendo presente a importância de assegurar a transparência e a comparabilidade da informação, independentemente do meio escolhido para comunicar com os clientes – deliberou sobre um conjunto de boas práticas que deverão ser aplicáveis pelas instituições de crédito ou outros prestadores de serviços de pagamento (“instituições”), quando remetem o extrato de comissões aos seus clientes, quer através dos canais digitais existentes (online e mobile), quer através de correio eletrónico.

De acordo com o documento em análise, entende-se por “canais digitais” o canal online de acesso do cliente aos produtos e serviços bancários disponibilizados pelas instituições: (i) através da internet (browser); (ii) ou através do canal mobile, isto é, do smartphone ou tablet, em particular via APP.

Assim, quando as instituições utilizam os canais digitais ou o correio eletrónico para proceder ao envio do extrato de comissões aos seus clientes, devem assegurar que o documento em apreço é disponibilizado de uma forma clara e facilmente identificável por estes últimos, através de um ficheiro autónomo com a designação “extrato de comissões”.

Quando o referido extrato de comissões é remetido através de correio eletrónico, a presente Carta-Circular preconiza que a comunicação deverá ter em assunto, a expressão “extrato de comissões”.

Por sua vez, quando o mesmo extrato é disponibilizado através dos canais digitais, as instituições visadas devem garantir que:

      (i) o documento é disponibilizado em local bem visível e de acesso direto pelos seus clientes;

      (ii) estes últimos são informados da disponibilização do documento, a qual poderá ser feita através de correio eletrónico ou de mensagens curtas (SMS), nas quais deverão estar identificados, sempre que possível o local e sítio da internet ou na APP onde o documento possa vir a ser consultado;

      (iii) o extrato de comissões deverá ser facultado, por um período não inferior a um ano, devendo o cliente ser informado sobre este prazo de disponibilização.

Por último, as instituições visadas da Carta- Circular em análise, devem ainda ter a preocupação de prestar a informação adicional sobre a disponibilização do extrato de comissões, com o envio de mensagens de destaque, quer nas páginas iniciais nos seus sítios da internet, quer nas APP.

 

Luísa Cabral Menezes

                                                                                                                                                              lcm@servulo.com

Áreas Relacionadas
Financeiro e Governance
Advogados Relacionados
Luísa Cabral Menezes