Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.

Mais uma Contribuição (cada vez menos) Extraordinária

SÉRVULO PUBLICATIONS 27 Dec 2019

Neste expresso orçamental era irresistível a referência à proposta de criação da Contribuição Extraordinária sobre os Fornecedores da Indústria de Dispositivos Médicos do Serviço Nacional de Saúde (doravante «Contribuição»), cuja finalidade será garantir a sustentabilidade do SNS.

De acordo com a proposta, a Contribuição incidirá sobre os fornecedores – sejam fabricantes, seus mandatários ou representantes, intermediários, distribuidores por grosso ou apenas comercializadores – que faturem às entidades do SNS o fornecimento de dispositivos médicos e dispositivos médicos para diagnóstico in vitro e seus acessórios.

No entanto, são excluídos de tributação os dispositivos médicos e os dispositivos médicos para diagnóstico in vitro de grande porte destinados ao tratamento e diagnóstico e isentos os fornecedores de dispositivos médicos que adiram, sem reservas, aos acordos entre o Estado Português e as associações de fornecedores, nos quais serão fixados objetivos para os valores máximos da despesa pública com a compra dispositivos médicos e reagentes.

A Contribuição terá por base o valor total das aquisições de dispositivos médicos e dispositivos médicos para diagnóstico in vitro às entidades do SNS (de acordo com os dados de aquisições reportados pelos serviços e estabelecimentos do SNS), deduzido do imposto sobre o valor acrescentado. Ao valor anual das aquisições serão aplicadas taxas progressivas que variam entre 1,5% e 4%.

Tendo em conta os dados iniciais, a Contribuição poderá suscitar inúmeras questões de natureza legal. Entre estas encontra-se, nomeadamente, a dificuldade em escrutinar o seu carácter bilateral o que implicará uma árdua tarefa de qualificação jurídica do tributo que terá, inevitavelmente, repercussões na apreciação da sua conformidade constitucional. Por outro lado, a ausência de fundamentos fiscais e extrafiscais subjacentes às exclusões e isenções previstas, poderá colocar em crise os princípios basilares do sistema fiscal. Por fim, não se pode deixar de sublinhar a inconsistência de se continuar a prever Contribuições Extraordinárias quando para as contas públicas se prevê uma situação de superavit.  De facto, a proposta desta nova contribuição extraordinária, conjuntamente com a prorrogação das contribuições anteriormente criadas, demonstra uma tendência para a proliferação de contribuições sectoriais que representam verdadeiros mecanismos seletivos para aumentar a carga fiscal sobre determinados setores estratégicos da economia portuguesa.

 

Diogo Feio

dtf@servulo.com

 

Bruno Miguel Marques

bmm@servulo.com

Related Areas
Tax