Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.

40 Anos da Constituição

BOOKS AND ACADEMIC ARTICLES 2018 in 40 Anos da Constituição

Pedro Fernández Sanchéz publicou um artigo na obra de 40 Anos da Constituição sobre O pragmatismo constituinte na formação da Constituição organizatória como causa específica da capacidade de sobrevivência da Lei Fundamental de 1976.

Quando a Constituição Portuguesa de 1976 foi elaborada, os constituintes sabiam, a partir das lições da História que conheciam, que as Constituições nacionais revelaram tradicionalmente uma grave dificuldade de adaptação à realidade e de sobrevivência, tendo, na sua maioria, conseguido subsistir apenas por uns poucos anos antes de terem cessado a sua vigência. A História indicava também que as únicas duas Constituições Portuguesas que tinham sobrevivido por pelo menos quatro décadas se tinham caracterizado por restringir fortemente o princípio democrático, enfraquecer as Assembleias representativas do povo e apostar na formação de Executivos fortes, capazes de assegurar a estabilidade governativa. 

Em palestra proferida no colóquio comemorativo dos 40 Anos da Constituição de 1976, aprecia-se como os deputados constituintes, não obstante pretenderem derrubar um regime ditatorial de pendor antiparlamentar, preferiram adotar uma postura pragmática, formando um sistema de governo que privilegia a estabilidade governativa e um Executivo forte, diminuindo o peso do Parlamento na ação governativa, tendo a vigência da Constituição, atingindo também já o marco das quatro décadas, confirmado a utilidade desse pragmatismo para assegurar a sobrevivência deste regime constitucional. 

Related Areas
Public Law
Related Lawyers
Pedro Fernández Sánchez