Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.

Regime Sancionatório Aplicável ao Desenvolvimento da Atividade de Financiamento Colaborativo (Crowdfunding)

SÉRVULO PUBLICATIONS 18 Apr 2018

Inês Palma Ramalho, advogada da SÉRVULO, é autora de um update sobre o regime sancionatório aplicável ao desenvolvimento da atividade de financiamento colaborativo (crowdfunding). 

 No passado dia 9 de fevereiro, a Lei n.º 3/2018 veio definir o regime sancionatório aplicável ao desenvolvimento da atividade de financiamento colaborativo (crowdfunding) e procedeu à primeira alteração à Lei n.º 102/2015, de 24 de agosto, que aprovou o regime do financiamento colaborativo.

 Este regime define os ilícitos de mera ordenação social respeitantes à violação dos deveres previstos nos normativos nacionais e europeus sobre financiamento colaborativo e respetiva regulamentação, atribuindo à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a competência para sancionar violações ocorridas em sede de financiamento colaborativo de capital ou por empréstimo e à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) caso as mesmas ocorram em contexto de financiamento colaborativo com recurso a donativos ou recompensas.

 A Lei n.º 3/2018 apresenta uma listagem bastante extensa de contraordenações, dividindo o regime sancionatório em dois capítulos, tendo por base o tipo de financiamento colaborativo em causa (e, por conseguinte, a entidade competente para processar as respetivas infrações).

 No regime sancionatório referente à atividade de financiamento colaborativo por capital ou empréstimo, que o legislador coloca sob alçada da CMVM e segue o regime substantivo e processo do Código dos Valores Mobiliários e, subsidiariamente, do regime geral do ilícito de mera ordenação social, as contraordenações foram segmentadas entre contraordenações muito graves (puníveis com coimas entre €5.000 e €1.000.000), graves (puníveis com coimas entre €2.500 e €500.000) e leves (puníveis “apenas” com coimas entre €1.000 e €200.000).

 Todavia, se o triplo do benefício económico exceder o limite máximo da coima aplicável, este limite é elevado àquele valor.

 Entre as contraordenações muito graves o legislador incluiu o exercício de atividades de financiamento colaborativo sem o prévio registo junto da CMVM ou fora do âmbito desse registo, tal como a violação de sanções acessórias de interdição temporária de atividade ou de inibição de exercício de funções e de representação cominadas pela CMVM, parecendo reservar a classificação de contraordenações graves para a violação de deveres informativos ou de comunicação, de confidencialidade, de prevenção de conflitos de interesses ou por conta da realização de atos ou operações proibidas a entidades gestoras de plataformas de financiamento colaborativo ou pelo incumprimento de ordens da CMVM. Como contraordenações leves o legislador considerou a violação (de algumas) das regras de publicidade ou de outros deveres resultantes das normas aplicáveis ao financiamento colaborativo e que não constituam nenhuma das contraordenações mais gravosas.

 Já no que diz respeito ao regime sancionatório referente à atividade de financiamento colaborativo por donativo ou recompensa, que o legislador colocou sob alçada da ASAE e se recorre subsidiariamente ao regime do ilícito de mera ordenação social, a segmentação mantém-se, mas sujeito a coimas substancialmente mais baixas.

 Nestes casos, o legislador considerou como contraordenações muito graves (puníveis com coimas entre €1.500 e €44.000) a realização de atos ou de uma atividade de financiamento colaborativo sem a comunicação de início da atividade junto da Direção-Geral das Atividades Económicas (DGAE) ou fora do âmbito dessa comunicação, bem como o incumprimento do limite máximo de angariação ou a disponibilização da mesma oferta em mais que uma plataforma. Já serão contraordenações graves (puníveis com coimas entre €750 e €16.000) a violação de deveres informativos ou de comunicação, de confidencialidade, de prevenção de conflitos de interesses ou por conta da realização de atos ou operações proibidas a entidades gestoras de plataformas de financiamento colaborativo, ficando todas as demais ou a violação (de alguns) dos deveres de publicidade classificados como contraordenações leves (puníveis com coimas entre €300 e €8.000).

 Para além das coimas previstas, qualquer das entidades relevantes pode ainda e consoante o tipo de financiamento colaborativo em causa aplicar sanções acessórias aos responsáveis por qualquer contraordenação, incluindo a apreensão e perda do objeto da infração, a interdição temporária do exercício de atividades de financiamento colaborativo ou o cancelamento do registo da atividade de financiamento colaborativo, entre outras possíveis.

 A Lei n.º 3/2018 aprovou também algumas alterações ao regime de financiamento colaborativo inicialmente aprovado pela Lei n.º 102/2015, de 24 de agosto, nomeadamente restringindo a emissão de instrumentos financeiros no âmbito do financiamento colaborativo de capital e transferindo as competências no que toca ao financiamento colaborativo por donativo ou recompensa que a versão anterior do regime tinha atribuído à Direção-Geral do Consumidor para a DGAE.

 Este diploma entrou em vigor no a 10 de fevereiro de 2018 e será (re)avaliado a 10 de fevereiro de 2023.

Related Areas
Finance and Governance
Related Lawyers
Inês Palma Ramalho